A Idade Média e a Nova História Política

Marcelo Cândido da Silva

Resumo


Os estudos sobre as sociedades medievais constituem, já há algumas décadas, uma paisagem em mutação. Eles são o cenário da emergência de novas perspectivas sobre o poder, o parentesco, a paz e a solução de conflitos, mas também sobre as trocas, as relações com os bens, as articulações entre o simbólico e as práticas sociais, etc. As novas perspectivas sobre as sociedades da Alta Idade Média foram construídas a partir de um volume de fontes que permaneceu praticamente o mesmo desde o final do século XIX. Todas essas mudanças não significaram o ocaso da História Política, ao contrário, reforçaram a crença de que o Poder é um fenômeno privilegiado para a compreensão da dinâmica social. Paradoxalmente, esse novo cenário só se tornou possível graças à crise da História, dos paradigmas e dos objetos de estudo tradicionais do historiador. Aliás, seria mais apropriado falarmos em uma crise da “História Científica” e de seus instrumentos teóricos e metodológicos, consagrados em boa parte à genealogia do Estado Nacional. O objetivo deste artigo é discutir os novos enfoques dos historiadores a respeito da história política das sociedades da Alta Idade Média.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2013.v14.n1.07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais - Rua Professor Marcos Waldemar de Freitas Reis (UFF/Instituto de História). Bairro: São Domingos. Niterói-RJ CEP: 24210-201