A tomada de Lisboa no século XII: uma “outra história” da História

Aldinida Medeiros Souza

Resumo


Consideramosque a contemporaneidade tem, no acontecimentos do período medieval, uma de suasimportantes fontes sobre fatos e reflexões acerca deles. Este artigo apresentauma reflexão sobre o Cerco de Lisboa, tomando como objeto o romance  Históriado cerco de Lisboa, de José Saramago. Observa-se que este escritor promoveuma releitura da História que passa a ser estudada sob as novas visões dosromancistas a partir da Escola dos Anales. Constata-se, pois que os autores deromances históricos buscam empregar, de forma sistemática, personagens daHistória na ficção literária, fazendo com que se revele mais fortemente, nessegênero, uma focalização heterodoxia e uma desconstrução de alguns referentes,em busca de uma reconstituição da História dentro da ficção. Escrito sob osigno da ironia, a história alternativa apresentada pelo revisor RaimundoSilva, sobre o cerco de Lisboa permite-nos conhecer a importância do gênero emquestão, para os estudos literários e históricos, visto que esse permiterepensar o passado de diversas maneiras, interessa-nos investigar a inversão dorelevo das personagens dentro do dialogismo social enfocado por Saramago, assimcomo a construção de uma realidade fictícia que se constrói paralelamente aosfatos históricos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2013.v14.n1.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais