COPILAÇAM DE TODALAS OBRAS DE GIL VICENTE – 1562: UMA BREVE HISTÓRIA DE SUA RECEPÇÃO

Márcio Ricardo Coelho Muniz

Resumo


Foram os estudos do professor
Giuseppe Tavani que me alertaram para as
questões da recepção do livro que nos
legou a quase totalidade das obras
conhecidas de Gil Vicente, a Copilaçam de
1562. Tendo sofrido forte ataque por parte
da crítica oitocentista e novecentista, após
sua “redescoberta” em 1834, devido a
pequenos equívocos em datas, lugares,
circunstâncias e personagens presentes em
suas rubricas, e a um ordenamento pouco
claro dos autos em seus cinco livros, as
desconfianças resultaram em um processo
de deslegitimação da obra como expressão
de autor. Este estudo, fruto de um projeto
que busca reconstruir a história da
Compilação de 1562, pretende reunir,
confrontar e discutir as leituras realizadas
da edição de 1562 do Livro das Obras de Gil
Vicente, desejando reencontrar sua
legitimidade enquanto obra autoral


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais