Os monstros na cultura medieval

Paulo Roberto de Núñez Soares

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma reflexão sobre o processo de construção e os usos dados às imagens de monstros na cultura medieval. Monstro, etimologicamente, vincula-se à ideia de mostrar. A natureza e suas criaturas eram percebidas em dois níveis, um literal e outro alegórico. As figuras monstruosas, quer tenham sido grafadas em algum suporte ou apenas referidas em textos e falas, apresentavam-se como construções compósitas, em que cada elemento trazia uma nova camada de sentidos possíveis e ampliavam seu sentido alegórico. A realidade desses seres era averiguada a partir de critérios de conveniência em relação aos sentidos que carregavam. A análise destas figuras passa, necessariamente, por um processo de interpretação que deve levar em conta a ambiguidade intrínseca a esses seres e as múltiplas funções que desempenhavam

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2012.V12.N2.10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais