A GRAÇA REAL E A HONRA NOBILIÁRQUICA NO PROCESSO DE JACQUES DE ARMAGNAC, DUQUE DE NEMOURS. 1476-1477

Fabiano Fernandes

Resumo


Em fins do século XV depender da graça real era, até certo ponto, um elemento de depreciação da honra nobiliárquica. As forças centrípetas organizadas pelo poder real executaram uma espécie de domesticação da alta nobreza. Este fenômeno ocorreu por meio  de: 1) um oficialato razoavelmente comprometido; 2) de um conjunto de normas mais claramente estabelecidas; 3) por meio do estabelecimento de alianças com diversos poderes locais -dentre eles, inclusive, nobres de mediano e baixo extrato.  Ao analisar parte do processo do duque de Nemours temos como ideia central que o medo não era uma técnica com fins a pura simples dominação/coerção, mas também uma forma eficaz de moldagem das vontades/percepções. A disseminação do medo se torna um dos instrumentos mais eficazes para a afirmação da soberania real, que deveria ser temida de forma análoga à fúria divina.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BILLORÈ, Maitre; MATHIEU, Isabelle; AVINGNON, Carole. La justice dans la France Médiévale. VIIe-XVe siècle. Paris: Armand Colin, 2012.

BLANCHARD, Joel. Louis XI. Paris: Perrin, 2015.

___ (Ed. Crit.). Procès de Jacques d’Armagnac. Genève: Libraire Droz, 2012

BRUNNER, Otto. Land and lordship. Structures of governance in medieval Austria. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1992.

CARON, Marie-Thérese. Noblesse et pouvoir em france. XIIIe-XVIe siécle. Paris: Armand Colin, 1994.

Constant, J-M. Nobles et paysans beaucerons aux XVe et XVe siècles. Thesis, Lille, 1981.

GAUVARD, Claude. De grace especial. Crime, État et Socété em france à la fin du Moyen Âge. 2e édititon. Paris: Publications de la Sorbonne,1991.

FOULCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Editora NAU: 2002.

___ A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, Pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: edições Loyola, 1999.

HEERS, Jacques. Louis XI. Paris: Tempus, 2003.

HESPANHA, Antonio Manuel. Historiadores do direito e historiadores. In: COELHO, Maria Helena da Cruz & HOMEM, Armando Luís de Varvalho (org.) A Génese do Estado Moderno no Portugal Tardo-Medieval (séculos XIII-XV). Lisboa: UAL, 1997, p. 53-76.

HAMON, Phillipe (edit). Les Renaissances. 1453-1559. Histoire de France. Paris: Belin, 2009.

McGRATH, Alister E. Iustitia Dei. Cambridge: Cambridge University Press 1998.

MORSEL, Joseph. L’aristocracie médiévale. Ve-XVe siècle. Paris: Armand Colin, 1994.

POTTER, David. A History of France, 1460-1560. London: Palgrave Macmillan, 1995,

SORIA, Myriam et BILLORÈ Maïte (0rg). La trahison au Moyen Âge. De la monstruosité au crime politique. Rennes, Press Universitaires de Rennes, 2009.

VAESEN, Joseph (edit). Lettres de Louis XI, roi de France. Vol. VI. Paris: Publiées d'après les originaux pour la Société de l'histoire de France, 1898.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais