FEMINILIDADES DESVIANTES NA LÍRICA TROVADORESCA GALEGO-PORTUGUESA: ACERCA DE TRÊS CANTIGAS SOBRE SOLDADEIRAS

Henrique Marques Samyn

Resumo


Este artigo apresenta algumas considerações acerca de três cantigas de escárnio e maldizer preservadas nos cancioneiros medievais galego-portugueses – a saber: “Maior Garcia est homiziada” (B 1578), de Pero Garcia de Ambroa; “Elvira López, que mal vos sabedes” (B 1487, V 1099), de João Garcia de Guilhade; e “Marinha Foça quis saber”, de Pero da Ponte (B 1627, V 1161). Em todas as referidas cantigas, o objeto da sátira são as soldadeiras – mulheres que participavam do espetáculo trovadoresco, dançando e tocando instrumentos –, e que constituem um dos principais alvos das cantigas jocosas compostas no âmbito peninsular. Trata-se de questionar em que medida essas figuras podem ser lidas como representações de contramodelos de feminilidade, a partir de elementos que as singularizam desde uma perspectiva literária.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais