Apropriação Simbólica (e Senhorial!) da Natureza na Península Ibérica (século IV-VIII)

Mario Jorge da Motta Bastos

Resumo


Proponho-me, no presente artigo, a abordar a concepção de
natureza e das relações travadas pelos homens com este seu “laboratório inorgânico de existência” expressa em fontes diversas elaboradas no contexto da Sociedade Ibérica do século IV ao VIII. Ver-se-á a difusão, no período em questão, de uma concepção de natureza como obra da Criação e concessão divina
em usufruto humano, tornando-a dom de uma divindade  suprema que institui, na base da sua própria ação original, o
elemento primário da submissão irrevogável destes ao dominus celestial. Traduzindo-a em uma expressão, a concepção cristã de mundo (e de natureza, pois) veiculada pelas elites ibéricas fundamentou-se, concentrou-se e se articulou em torno do exercício e da manifestação de poder, inserindo a divindade no curso da história e, a partir dessa inserção, desvelando uma ordem social e sagrada calcada em vínculos pessoais, dependências, fidelidades,poder e submissão.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2011.v11.n1.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais