Quando a traição torna-se uma enfermidade: a infidelidade política e a prática do morbo gothorum no reino hispano-visigodo de Toledo (século VII)

Renan Frighetto

Resumo


Ao longo do século VII, o reino hispano-visigodo de Toledo foi palco de diversas tentativas de usurpação do poder régio por parte de segmentos aristocráticos e nobiliárquicos rivais ao rei e aos seus mais próximos aliados políticos. Atitudes que reforçam a ideia, presente na historiografia, da incontrolável sanha infiel de importantes grupos aristocrático-nobiliárquicos contra o monarca reinante e contra o reino. Esta tendência à traição, com a ruptura dos juramentos de fidelidade prestados ao rei, denominada como o morbo gothorum, aparece nas fontes como uma autêntica “enfermidade política” que enfraqueceu a instituição monárquica hispano-visigoda, levando o regnum gothorum à confrontação interna e a consequente desaparição no início do século VIII.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2016.v17.n1.08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais