As 'fontes' literárias nas chancelarias do século VI: ornamento cultural ou arma política?

Stéphane Gioanni

Resumo


Este artigo propõe que os documentos da chancelaria da Alta Idade Média podem ser lidos a partir das referências composicionais dos textos literários, pois conectam-se a um gênero de escrita que, como uma arte, emprega técnicas retóricas, regras e formas de expressão que são provenientes da literatura antiga, embora se insiram num processo cultural que os transformam ao longo do tempo e no espaço. Tais elementos compositivos, quando levados em conta, nos dão uma outra perspectiva em relação à documentação política da Alta Idade Média que complementa aquela da diplomática. A fim de ressaltar este ponto de vista, tomar-se-ão as hagiografias, de Enódio de Pavia (471-521), e dois poemas elegíacos, de Venâncio Fortunato.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2016.v17.n1.07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais