A Caridade fraterna ad status. O amor do próximo e a função salvadora e libertadora da beata nas vitae de Maria d’Oignies (1213) e de Ida de Nivelles (1231).

Ana Paula Lopes Pereira

Resumo


As vitae das beguinas Maria d’Oignies e Ida de Nivelles, da primeira metade do século XIII, oferecem um vasto material de análise sobre o comportamento afetivo. A plenitude da graça divina experimentada pelas mulheres religiosas, a relação entre Caridade, conhecimento místico e a amizade espiritual, consideradas excepcionais pelos seus contemporâneos, são objeto de análise no relato hagiográfico. Os hagiógrafos buscando sistematizar um novo comportamento espiritual feminino, uma piedade laica e voluntária (o movimento beguinal), mas destinada ao controle eclesiástico, adaptam a exegese e o vocabulário da antropologia agostiniana e cisterciense que acentuam a participação da consciência individual na busca pela salvação. Empreendemos aqui uma análise das ações salvadoras das beatas ad status, ou seja, de acordo com a condição sociorreligiosa dos beneficiados laicos e eclesiásticos, através da luta contra os demônios, da exortação à confissão dos pecados, das orações e das lágrimas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2014.v15.n2.08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais - Rua Professor Marcos Waldemar de Freitas Reis (UFF/Instituto de História). Bairro: São Domingos. Niterói-RJ CEP: 24210-201