CENAS DE AMOR CORTÊS ENTALHADAS EM MARFIM: CAIXAS, PENTES E CAIXAS DE ESPELHO DO MEDIEVO

Flavia Galli Tatsch

Resumo


Na Idade Média, o marfim exercia grande fascínio devido à sua qualidade tátil, densidade e cor. Simbolicamente, sua brancura transcendente associava-o à pureza, à inocência e, também, ao ideal de beleza feminina. Por isso, essa matéria-prima foi empregada na elaboração de artigos de luxo. No medievo, o influxo do marfim de elefante africano esteve intimamente atrelado ao comércio com os mercadores suahilis. Nos séculos XIV e XV, o marfim foi empregado para a produção de objetos de uso pessoal, entre eles separadores de cabelo, caixas de espelho, pentes e caixas de marfim. As cenas esculpidas nesses objetos dialogavam com a cultura cortesã de uma ampla elite social. Neste artigo, interessa perceber como as caixas de espelho, pentes e caixas de marfim se configuraram como um código do desejo humano.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2014.v15.n1.04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais