Do(s) tempo(s) do mundo aos espaços da eternidade. As viagens aos lugares do Além na literatura hagiográfica tardo-antiga

Ronaldo Amaral

Resumo


O presente trabalho tem por escopo discutir uma das representações mais essenciais para o homem medieval: o Além; ou seja, o “lugar” que justifica e dita os próprios modos de sua existência nesse mundo. E se, como veremos, a realidade do Além só pode ser percebida por parâmetros e razões humanas, isto se dá porque a própria realidade humana só pode fazer sentido se corresponder ao seu análogo, mas, sobretudo, perfeito modelo que é o mundo das essências divinas. Daqui que, as análises das narrações medievais sobre as viagens ao Além devem, mais do que descrever esses lugares por eles mesmos, ainda que enfatizando suas tessituras fantásticas, cuidar de precisar sua constituição como resultado da intersecção das realidades humana e divina, sobretudo, ao cuidar daquelas percepções que são tão próprias do imaginário quanto da vida social mais concreta: o tempo e o espaço


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21572/2177-7306.2014.v14.n2.01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Signum Revista da ABREM (ISSN 2177-7306) - Associação Brasileira de Estudos Medievais